5 lições de Growth Marketing que você precisa aprender.

Marketing Digital, Planejamento e estratégia | 1 de abril de 2019

Por Isabela Cruzeiro

Growth Marketing vem do termo Growth Hacking, tão explorado hoje em dia, que trata do marketing orientado a experimentos e crescimento. Primeiro, entenda que não é só mais uma modinha do marketing digital, o marketing de crescimento pode trazer mais lucro para a sua empresa, se bem aplicado.

Conduzido internamente ou por uma agência de growth marketing, o objetivo principal sempre será testar hipóteses para acelerar o crescimento da empresa. Para acompanhar os resultados, utilizamos métricas que podem ser tráfego, vendas, visitas, usuários ou reservas. Ou seja, vender mais gastando menos. Sonho? Não. É totalmente possível, desde que haja uma estratégia de aceleração bem estruturada.

Mas o que de fato significa growth hacking? Por se tratar de uma expressão, não existe uma tradução exata do inglês. Porém, se isolarmos as palavras é fácil entender do que se trata: Growth = crescimento, Hack = brecha, e Hacking = explorar essas brechas.

Lição #1: Você precisa admitir que não sabe o que seus clientes querem.

Quando trabalhamos muito tempo em uma empresa começamos a cometer o erro de acreditar que agora sabemos tudo sobre aquele negócio e sobre seus clientes. E isso vale pra quando estamos administrando, atuando no marketing ou prestando serviços como agência de comunicação. “Mas isso não é uma coisa boa?” Sim, mas em partes.

O problema é que a convivência com aquele cenário pode nos deixar acomodados. E passamos então e replicar a mesma fórmula várias e várias vezes. Esse talvez seja o grande erro da maioria das agências de publicidade e motivo de declínio. Afinal, quando você sabe de tudo, você simplesmente para de coletar dados.

O fato é que o consumidor recebe todos os dias uma quantidade imensa de informações e isso faz com que seus desejos mudem também. Inclusive, os gatilhos mentais que ativam esses desejos podem mudar constantemente. E isso pode fazer com que seus clientes sejam convencidos pela concorrência e deixem de comprar da sua empresa.

Então, se você quer trabalhar com growth marketing (seja como profissional de growth, empresa ou agência) é melhor colocar isso na sua cabeça de uma vez por todas.

Lição #2: Não tenha medo de errar.

É errando que se aprende, já dizia o ditado. Perca o medo de errar e erre rápido. Lembre-se que Growth Hacking não é mágica e seus resultados não vão dobrar simplesmente ao trocar a cor do botão do seu site. Antes de acertar um hacking, provavelmente você vai errar muitas vezes.

O importante é que esse erro seja cometido o mais rápido possível e que isso seja catalogado. Quando fazemos isso, é possível adquirir uma base de conhecimento riquíssima para aplicar nos próximos meses ou até mesmo em outros canais. Aqui na To Be Comunicação, pautamos todo o nosso trabalho no crescimento dos nossos clientes e usamos com frequência esse mindset. Especialmente para levar aprendizados de campanhas digitais para campanhas offline. Fale com a gente e entenda como funciona.

Lição #3: Pare de investir nas hipóteses erradas.

Pode parecer óbvio, mas muitos “growth hackers” ainda não entenderam que Growth Hacking não se trata de sair testando hipóteses aleatoriamente. O fato é que é preciso ser muito sistemático ao elaborar o processo de experimentação para acelerar um negócio. Lembre-se que tempo é dinheiro e quanto mais você investe tempo em hipóteses que não levam a lugar algum, mais dinheiro é jogado pelo ralo.

O que preciso ter para ser growth hacker?

É importante lembrar também que para medir os resultados, além de definir os KPIs (Key Performance Indicator – índices chave de performance), seu site precisa estar devidamente configurado. Não adianta nada elaborar um planejamento de marketing digital, definir o processo de experimentação e crescimento e não inserir códigos de acompanhamento. Afinal de contas, seus clientes vão chegar de várias mídias, como Google Ads, Facebook Ads ou outros sites parceiros. Lembra quando falamos sobre métricas no início do texto? A maioria delas serão extraídas do Google Analytics (GA). Por lá é possível extrair diversos tipos de relatórios, como: origem de mídia, tráfego orgânico e pago, metas, conversões, eventos etc. Para saber quais campanhas trouxeram resultados, quais áreas do site convertem mais ou possuem maior taxa de rejeição e analisar onde precisamos fazer ajustes primeiro, as tags de acompanhamento precisam estar configuradas corretamente. Falamos melhor sobre tag manager neste link. Confra!

Lição #4: Não invista todos os seus recursos em uma única aposta.

Tempo é dinheiro. Lembra? É justamente por isso que você precisa otimizar o tempo dos seus testes. Muitas vezes acreditamos tanto que sabemos o que o cliente deseja, que tomamos aquilo como verdade absoluta e imutável. O problema é que pode dar certo ou não.

No entanto, ainda é muito comum ver profissionais de marketing aplicando todo o orçamento dos seus projetos com base em uma única crença. Por que isso acontece? Simples. Porque o raciocínio imediato é apostar na estratégia com maior potencial para atingir o objetivo mais rápido. E apesar de fazer sentido, a grande verdade é que na maioria das vezes estamos errados, ou não tão certos quanto imaginamos.

Quem nunca se sentiu traído quando o consumidor demonstrou ter um desejo ou dor totalmente diferente daquilo que acreditávamos?

Vamos imaginar que ao invés de traçar um único caminho para atingir o objetivo final, você tenha planejado 10 experimentos baseados no que já conhece sobre seu cliente, mercado etc. Mesmo que você só tenha acertado em 4 ou 5 experimentos, você já ganhou! Apesar de os resultados terem sido fracionados, você obteve resultados em 5 experimentos, já sabe o que deu certo ou errado e agora ganhou um nível bem mais alto de assertividade para continuar com esse projeto, apostando nas hipóteses corretas.

Confira também: Como otimizar o crescimento da sua lista de e-mails.

 

Lição #5: Não confie em fórmulas mágicas

“100 hackings para testar e acelerar seu negócio” Chama atenção né? Mas provavelmente não vai servir pra muita coisa. Usar esse tipo de conteúdo pra ter ideias pode ser muito útil, mas JAMAIS acredite que eles serão a resposta para todos os seus problemas.

Pense bem! Testar 100 hackings pode levar anos pra acontecer e provavelmente não irá dar em nada, pois esses testes não foram pensados para o seu negócio, não foram estruturados para o seu público-alvo.

Por isso, se você quer acelerar o crescimento da sua empresa e vender mais, entenda de verdade essas 5 lições que trouxemos, antes de tudo. Depois disso, conte com profissionais que tenham experiência no assunto. Aqui na To Be, podemos te apresentar alguns projetos reais e propor hackings aplicáveis para o seu negócio. Pare de perder tempo e fale com a gente agora.